top of page

Idosos e distúrbios do sono

Cerca de 70% das pessoas com demência em estágio inicial sofrem de distúrbios do sono. Os distúrbios incluem despertares noturnos, menor eficiência do sono, sonolência diurna excessiva e aumento da soneca durante o dia.



Tais distúrbios do sono podem surgir na doença em estágio inicial e estão associados ao grau de declínio cognitivo. Vários distúrbios do sono podem coexistir.


Os ritmos do sono-vigilia podem ser agravados em idosos com comprometimento cognitivo leve ou doença de Alzheimer. Com a progressão da demência, capacidade de manter o sono e a vigília são prejudicados, levando a distúrbios circadianos.


Evidências crescentes sugerem uma ligação bidirecional entre distúrbios do sono e declínio cognitivo. Alguns estudos recentes focaram na relação bidirecional entre sono e cognição, com forte interesse em como os distúrbios do sono levam ao declínio cognitivo.


Anormalidades do sono aparecem antes do início clínico da doença de Alzheimer e a privação do sono facilita o acúmulo de β-amiloide, potencializando o declínio cognitivo precoce e conversão para doença de Alzheimer.


Os distúrbios do sono podem contribuir para o declínio cognitivo por meio das vias de neuroinflamação e alterações em neurotransmissores específicos, esses mecanismos apesar de pouco compreendidos, podem ser modificados por fatores individuais como sexo, genética, depressão e medicações.



Evidências sugerem que o sono é um alvo modificável importante para o desenvolvimento de estratégias para tratar o declínio da memória ou reduzir os riscos de demência.

Fonte: CARTER, P. et al. Sleep and Memory: The Promise of Precision Medicine, Sleep Medicine Clinics, v. 14, n. 3, p. 371-378, 2019


Liliana Mores - Cirurgiã-dentista CRO/SC 15297

Odontologia na Medicina do Sono

DTM & Dores Ororfaciais, Bruxismos

Odontologia para Músicos

Comentarios


bottom of page